segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Chave de leitura para o Livro do Apocalipse - Parte I







O Apocalipse, com muita certeza, é o livro que mais abusos tem sofrido no decorrer da História e, como decorrência, é o livro que tem despertado reações sempre as mais antagônicas possíveis. Há aqueles que o amam por seu conteúdo, beleza, e imagens fortes. Por outro lado, outros sentem um verdadeiro “pavor” do livro por não compreenderem-no e devido a estudos ou sermões ouvidos que revelavam uma perspectiva de análise equivocada.
Obviamente meu objetivo não é oferecer uma visão sui generis do livro, mas procurar estudá-lo de modo coerente com ele mesmo, respeitando sua mensagem e seu modo de transmiti-la. Além disso, meu desejo ao estudá-lo é fazer sua integração com o resto do Novo Testamento e a vida da igreja. É fazer a igreja lê-lo, entendê-lo e amá-lo como o restante dos livros da Bíblia. Isso implicará numa “desmistificação” do livro, o que procurarei fazer nas páginas seguintes.
Os estudos que se seguem não são um “comentário” ao Apocalipse, mas uma série de “estudos” onde, por questão de espaço e de tempo, alguns pormenores foram deixados de lado. Isso não significa um estudo superficial. Meu objetivo através destes estudos é fornecer numa série de aulas uma visão e interpretação do Apocalipse que permitam que aqueles que participaram possam ler este livro com mais proveito em suas casas.

INTRODUÇÃO

Apocalipse! Talvez o livro menos lido em todo o Novo Testamento. É provável que a maioria dos cristãos nunca tenham lido esse livro, ou, se o leram, o fizeram apenas nos três primeiros capítulos. Possivelmente esse desprezo para com o Apocalipse deve-se à visão que as pessoas têm dele. 

1. APOCALIPSE - O ILUSTRE DESCONHECIDO DO NOVO TESTAMENTO.

Por que esse título? Porque é assim que a maioria de nós vê tal livro. Embora não tendo lido o Apocalipse, ou lendo pequenos trechos dele, grande parte das pessoas crê que ele fala do fim do mundo, com estrelas e prédios caindo sobre suas cabeças. Além disso, ele falaria do grande sofrimento pelo qual os cristãos passarão, e isso não é nada bom para qualquer pessoa, e além do mais, esse dado estaria em contraste com a vida vitoriosa da qual o resto do Novo Testamento fala. O Apocalipse também é um vilão por que ele fala de Dragão, Besta, Falso Profeta, 666 como número da Besta, dando a impressão que todos eles um dia, de modo inesperado, surgirão correndo atrás dos cristãos para matá-los, e isso gera pânico em muitas pessoas.

A interpretação popular também ajuda a confundir o entendimento do livro. Uma interpretação meramente futurista, alienante e de extrema direita é muito comum. Nesse sentido, o Apocalipse falaria apenas do futuro, sem se importar com o presente, sendo que a consequência disso seria a alienação profunda gerada naqueles que o leem. É comum ver esse tipo de interpretação. O livro também serviu para justificar posturas politicamente corretas (?), que viam o Apocalipse falando que ex-União Soviética juntamente com a China (Gogue e Magogue - Ap 20,7-8), como bloco comunista e diabólico, combateriam os cristãos democráticos e capitalistas, os quais, entretanto, venceriam com a ajuda de Cristo (obviamente essa visão foi difundida por intérpretes norte-americanos).  Por essas e outras razões, por quê um cristão leria esse livro? 

2. QUE LIVRO É ESSE?

O ponto de vista acima encontra sua razão na falta de entendimento do gênero literário ao qual o Apocalipse pertence. Na realidade, Apocalipse é um gênero literário. O livro faz parte de um conjunto de obras chamado de APOCALÍPTICA. Vários outros livros apocalípticos, semelhantes ao que estamos estudando foram escritos: 

• I Enoque, escrito cerca de 200 a.C.
• Livro do Jubileu, por volta do 2o. século a.C.
• Testamento de Moisés, começo do 1o. século d.C.
• 4 Esdras, final do 1o. século d.C.
• Apocalipse de Abraão, 1o. ou 2o. século d.C.
• Daniel 7-12.
• Marcos 13 (paralelos em Mt 24 e Lc 21).

3. PARA QUEM O LIVRO FOI ESCRITO E QUANDO?

O Apocalipse é um livro pastoral escrito às sete igrejas da Ásia Menor (região ocidental da atual Turquia) - 1,4. Esse dado é importante, pois mostra-nos que o livro não é um documento caído do céu, atemporal. Para entendê-lo, precisamos compreender primeiramente a mensagem que tinha para seus destinatários. Os capítulos 2 e 3 mostram-nos os problemas que essas comunidades passavam, o que justifica o envio do livro para elas.

Até algum tempo atrás havia um consenso quanto a afirmação de que os cristãos na Ásia estavam passando por perseguições e que o livro foi enviado nesse contexto. De fato, o livro fala de perseguição: o próprio João está exilado numa colônia penal em Patmos devido a perseguição religiosa - 1,9; os cristãos estão passando por tribulações: 2,9-10; morte - 2,13; 6,9. Porém hoje questiona-se que houvesse uma perseguição de caráter geral aos cristãos. O que existiria seriam problemas localizados. Seguindo este ponto de vista, o escritor veria nesses problemas esporádicos sinais de um grande confronto que estava para se dar: Estado Romano x Igreja. 

O Apocalipse teria, então, a função de servir como um alerta para despertar os cristãos para a realidade de que esse confronto estava começando, embora alguns não concordassem com tal postura. Dentro dessa perspectiva este livro é altamente relevante para nós. Pode ser que convivamos bem com a sociedade, com as estruturas, etc. Mas isso não revelará um certo conformismo de nossa parte? O Apocalipse serve para nos questionar em nossas posturas.

O livro surgiu quando o imperador Domiciano , que reinou de 81 a 96 d.C., começou a exigir que todos os súditos dentro do império o adorassem como deus. Isso não constituiu problema para a população, visto que estavam acostumados com um culto politeísta, e adorar um deus a mais não seria problema. Para os cristãos não foi assim. Até então a tradição cristã era de interceder pelas autoridades - 1 Tm 2,1-2; submeter-se às autoridades - Rm 13,1-7; honrar ao rei - 1 Pe 2,17. Mas agora a situação mudara. Os cristãos não podiam dividir sua lealdade a Jesus Cristo. Portanto, ao não prestar culto ao imperador, eles estariam sendo acusados de impatriotismo. Isso foi mais intenso principalmente na Ásia Menor, onde o culto ao imperador desenvolveu-se de modo mais acentuado. 

O confronto estava apenas começando. Para alguns, por outro lado, ele não existia. Esses cristãos achavam que podiam adorar a Jesus e ao imperador. Eles são criticados duramente no Apocalipse. Aqui podemos ver a ligação entre o Estado e a religião. Será que hoje os dias são diferentes? Não estaremos “adorando” religiosamente nosso mundo moderno, secular, tecnológico, consumista, etc, etc?

4. EXISTE UMA ESTRUTURA NO APOCALIPSE?

Embora seja muito difícil de se chegar a um consenso, há alguns dados que podem ser observados. Todos os estudiosos admitem que o livro tem uma forte ênfase sobre o número sete. Há: 

• sete igrejas: capítulos 2 e 3.
• sete selos: capítulo 6 e 8,1-6.
• sete trombetas: 8,7-9,21 e 11,15-19.
• sete taças: capítulo 16.
• sete espíritos: 1,4; 4,5.
• sete bem-aventuranças: 1,3; 14,13; 16,15; 19,9; 20,6; 22,7.14.

Por enquanto podemos dizer que o livro desenvolve-se, em termos estruturais, em torno do número sete. Obviamente esta é uma visão simplista, e onde ela não puder ser considerada, outras explicações serão fornecidas.


5. O APOCALIPSE COMO PROFECIA - O QUE SIGNIFICA ISSO?

Já foi visto que, de acordo com o próprio nome do livro (Apocalipse = “revelação”- 1,1), o escritor procura apresentar o real sentido da vida cristã e do sofrimento através de uma “revelação” de Jesus Cristo. Mas o escritor também se apresenta como profeta (22,9) e caracteriza seu livro como profecia (1,3; 22,19). Qual a importância disso para o entendimento do texto?

A importância é muito grande, visto que dependendo da definição que temos de profecia, será o tipo de interpretação que faremos do livro. Hoje em dia é muito comum o conceito de profecia como “predição do futuro”.  Mas será que é isso que o escritor do Apocalipse tem em mente quando chama seu livro de “profecia”? O escritor do Apocalipse baseia-se no conceito vétero-testamentário de “profecia” para definir sua atividade. Nesse sentido, profecia é: 

• Uma mensagem recebida diretamente de Deus. Essa era a principal característica dos verdadeiros profetas em relação aos falsos (Jr 23,18-22). Eles entravam no “conselho” do Senhor. Esse conselho é composto pela Trindade e os seres celestiais que estão na presença de Deus e pode ser visto nas cenas dos capítulos 4 e 5 do Apocalipse. É ali que João, como profeta, se encontra (4,1). Portanto, o profeta é, fundamentalmente o que recebe “de Deus” sua mensagem. Por isso, ela é importante e não pode ser alterada (22,18-19). Além de provir de Deus, a profecia nos tempos neotestamentários é centralizada em Jesus (19,10). O espírito, o centro da profecia é o “testemunho de Jesus”. Ela visa fornecer uma mensagem sobre Jesus Cristo, e não “satisfazer” nossa curiosidade quanto ao futuro.
• Uma mensagem que aponta para a vinda final de Jesus Cristo. Ela segue aqui a perspectiva pela qual o Velho Testamento era interpretado: cristologicamente, isto é, vendo nele predições que apontavam para Jesus Cristo (Lc 24,44). O Apocalipse segue essa linha apresentando uma visão “cristológica” da história, afirmando que Jesus controla a história e indicando que os eventos relativos a sua segunda vinda “estão próximos” (1,3). Na realidade, para o Novo Testamento, desde que Jesus encarnou e ressuscitou, ele “já está chegando”. É por isso que o escritor pode falar do julgamento sobre Roma como algo muito próximo. Porém o livro não fala de acontecimentos “particulares”, mas de ações de Jesus que se darão como consequência de sua segunda vinda.
• Uma mensagem que chama ao arrependimento. Essa é uma das principais características da profecia. Na realidade, ela é uma palavra que tem uma forte ênfase no “presente”, no comportamento do povo. Para criticar a prática pecaminosa, o profeta volta-se para o “passado” e encontra nele as orientações de Deus dadas no Pentateuco (quando o profeta vive nesse período), ou nas palavras de Jesus (quando o profeta é cristão). A partir daí faz advertências para que se abandone a prática do pecado, pois se não houver arrependimento, Deus irá punir tal comportamento no “futuro”. Portanto, a profecia fala do futuro como consequência da vida do povo no presente. É nesse contexto que o profeta fala às igrejas nos capítulos 2 e 3 chamando-as ao arrependimento e advertindo-as quanto ao futuro (2,5.16. 21-23; 3,3).

Após essas considerações sobre a profecia no Apocalipse, podemos ver por que o seu autor usa o gênero apocalíptico e refere-se ao livro como profecia. Seu objetivo através da apocalíptica é chamar a atenção para as tribulações que estão por vir e fornecer fortalecimento e conforto aos que sofrem. Para dar autoridade a essa mensagem, dá a ela a categoria de profecia. 

Visto que a profecia não pode ser vista como um mero “narrar de eventos futuros”, estando, pelo contrário, mais ligada ao presente, podemos, portanto, concluir que o Apocalipse não é um livro que narra apenas acontecimentos “futuros”. Essa constatação permite-nos agora buscar uma visão que substitua essa abordagem futurista que se faz ao livro.

6. APOCALIPSE - UMA ESTRUTURA NÃO CRONOLÓGICA.

O Apocalipse não tem uma sequência cronológica, onde um fato vem “depois” do anterior até chegar à segunda vinda de Jesus Cristo. Pelo contrário, o livro fala do conflito eminente com o império, e procura dar forças para o povo cristão ser fiel e, ao mesmo tempo, é uma palavra de condenação ao império romano e seu imperador que exige ser adorado como Deus. O autor desenvolve essa mensagem usando um recurso retórico chamado de “paralelismo progressivo”. Esse recurso é usado após a “introdução” (capítulo 01) e a apresentação dos “destinatários” (capítulos 02 e 03). Nele, o escritor apresenta basicamente a mesma cena, que representa o passado, presente e futuro, repetidas vezes, sempre acrescentando um dado para desenvolver o tema e aumentar o clímax até o final do livro. Vejamos como isso se dá na estrutura do livro: 
 
1. Introdução (capítulo 01).
2. Destinatários. As Sete Igrejas da Ásia Menor (capítulos 2 e 3).
3. Seis visões desenvolvendo o “paralelismo progressivo” (4,1-22,5).

• Abertura dos sete selos (4,1-7,17).



Aqui encontra-se o “passado” (5,6-7), representando a exaltação de Jesus Cristo após a ressurreição, o “presente” (6,9-11), apresentando os mártires cristãos que estavam sendo mortos, e o “futuro” (6,12-17), revelando a vinda de Jesus Cristo para julgar os opressores de seu povo (6,15-17).
• Toque das sete trombetas (8,1-11,19). Temos o “presente” (8,3-4), nas orações dos santos, e o “futuro” (11,18) na afirmação de que “chegou o dia da ira e o tempo de serem julgados os mortos”.
• A identidade do imperio romano e a perseguição dos cristãos por ele (capítulos 12-14).
É claro na passagem: o “passado” (12,5), através do nascimento de Jesus, o “presente” (12,17), na perseguição da igreja pelo dragão (Satanás), e o “futuro” (14,14-20, compare com Mt 13,24-30.36-43).
• Sete taças (capítulos 15-16). O “futuro” (16,20),é descrito através da imagem do aniquilamento dos elementos da natureza (= 6,14).
• A derrota de Roma e da Besta (capítulos 17-19). O “futuro” (19,11 e 13) pode ser observado através da pessoa de Jesus Cristo que vem para lutar contra a Besta (19,20).
 • O aprisionamento do Dragão e a vitória da Igreja (capítulos 20-22).
O aspecto “passado” é notado através da referência ao aprisionamento de Satanás (20,2), que se deu na encarnação de Jesus Cristo (Lc 11,20-22), e o “futuro” está claro na narração do juízo (20,11-14).
4. Conclusão (22,6-21).

Além dos dados acima que mostram o paralelismo progressivo, há um outro recurso para mostrar o desenvolvimento do clima de tensão do livro. São as palavras ira e cólera de Deus. A “ira” aparece em 6,16.17; 11,18, e “cólera” em 14,19; 15,1.7; 16,1. Elas vem juntas para enfatizar o sentimento de Deus em 14,10; 16,19 e 19,15.

sábado, 10 de setembro de 2016

Mediação e intecessão

Muitos nos acusam de colocar Maria e os Santos no lugar do Único Mediador entre os homens e a Deus-Pai , que é Jesus Cristo:

I Timoteo 2,5 Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem.

Logicamente como todos os Cristãos, nós católicos acreditamos que as graças vem por meio de Jesus Cristo, como o único mediador. Isto não quer dizer que nós não nos dirigimos a Deus Pai ou ao Espírito Santo diretamente. A inferência lógica da tradução de 1Timóteo 2,5 é aquela que nós precisamos sempre ir primeiro a Cristo pois só ele pode nos conceder salvação. 

O próprio Cristo nos disse que, quando rezamos, precisamos dizer: “Pai nosso que estais no céu…” Que aquele texto de 1Timóteo 2,5 não é para dizer que não podemos rezar diretamente ao Pai mas que Jesus é o único que o Pai instituiu como salvador. Mas há um debate por outros textos que deixam claro o papel de um intercessor. 

“Rogo-vos, irmãos, por nosso Senhor Jesus Cristo e pelo amor do Espírito, que luteis juntamente comigo nas vossas orações por mim a Deus” (Romanos 15,30).

Então fica claro que nós católicos temos apenas um Mediador, mais vamos começar pela analise das palavras mediador e intercessor muito confundido e mal interpretado entre os que nos acusam:

Mediador: Aquele que media duas partes.

Intercessor: Aquele que intercede, ajuda.
Então apenas vendo a diferença entre as palavras vemos que é um erro a acusação de que colocamos Maria e os santos no lugar de Jesus, afinal o unico que pode e fez o homem ter de novo a comunhão com Deus foi Jesus, o Salvador. Para compreendermos o que é mediação poderemos ler estes textos também

Romanos 5, 19 "Porque, como pela desobediência de um só homem, muitos foram feitos pecadores, assim pela obediência de um muitos serão feitos justos" 
Romanos 6,6 "Sabendo isto, que o nosso homem velho foi com ele crucificado, para que o corpo do pecado seja desfeito, para que não sirvamos mais ao pecado."

Deus atraves da Historia sempre utilizou de intercessores, quer seja de sua palavra ou quer seja de sua graça.  Deus usa de nossas orações e intercessoes pelo proximo para sua obra de Salvação, basta você enxergar a vontade do Senhor que se utiliza da nossa intercessao e intermedio:

Atos 19, 11-12 “Deus fazia milagres extraordinarios por intermedio de Paulo, de modo que os lenços e outros panos que tinham tocado o corpo eram levados aos enfermos e afastavam-se deles as doenças e retiravam-se os espirtos malignos”

Atos 5,15 “Punham-nos em leitos e macas a fim de que, qdo Pedro passasse,ao menos sua SOMBRA cobrisse alguns deles”
Feita essa delimitação, percebamos que o intercessor tem um trabalho na obra de Deus: 

2 Corintios 1,11:  "Se nos ajudardes tambem a vós com oraçoes em nossa intenção. Assim esta graça obtida por intervenção de muitas pessoas lhes será ocasião de agradecer a Deus a nosso respeito."

Houve um meio estabelecido pelo próprio Cristo para conhecer a Ele. Nosso Senhor Jesus Cristo escolheu doze apóstolos para ensinar a todos quem Ele era, e quem não ouve  estes não ouve o próprio Cristo: “Quem vos ouve, a Mim ouve” (Lc, 10, 16).

O poder de interceder está expresso em diversas passagens das Sagradas Escrituras, como nas Bodas de Caná, onde Nosso Senhor não queria fazer o milagre, pois “ainda não havia chegado Sua hora” e “o que temos nós a ver com isso (com a falta de vinho)?”. Bastou Nossa Senhora pedir para que seu Filho fizesse o milagre, que Ele adiantou sua hora para atender à intercessão de sua Mãe Santíssima.
Paulo na mesma carta que afirma Jesus como Único mediador entre Deus e os homens, também indica intercessores: I Timoteo 2,15 “Recomendo que faça preces , orações , suplicas e ações de Graças por todos os homens”

sábado, 4 de junho de 2016

PROGRAMAÇÃO DEFINITIVA DA FESTA DE SÃO PEDRO E SÃO PAULO - 2016





A Festa de nossos Padroeiros São Pedro e São Paulo acontecerá entre os dias 24 de junho e 03 de julho. Segue a programação completa da Festa incluindo sua dimensão cultural que sempre acontece após a Missa. 

Peço que todos divulguem e se preparem para participar conosco


PROGRAMAÇÃO DA FESTA DOS PADROEIROS SÃO PEDRO E SÃO PAULO:


Dia 24 de junho - São João das Comunidades. 

Celebração Eucarística na Igreja Matriz às 19:30h 
Após a Missa haverá apresentação de Trio Pé de Serra no Auditório Irmã Dulce - ENTRADA FRANCA ( haverá venda de comidas típicas - Segurança - Boa música e boas companhias.


DIA 25 DE JUNHO DE 2016 - ABERTURA DA FESTA DOS PADROEIROS:

19:30H - CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA PRESIDIDA PELO PADRE XAVIER

  ATRAÇÃO CULTURAL: PADRE DALMO




DIA 26 DE JUNHO DE 2016 - DOMINGO

8H - CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA PRESIDIDA PELO PADRE DALMO

17H - APRESENTAÇÃO DE TRIO PÉ DE SERRA E DA BANDA TUAREGS  (EVENTO FECHADO - INGRESSOS À VENDA A PARTIR DE SÁBADO: LOTE 1 - R$ 20,00
MESAS: R$ 70,00 F. 83 32173697


DIA 27 DE JUNHO - SEGUNDA FEIRA

19:30H - CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA PRESIDIDA PELO PADRE LUIZ JÚNIOR

ATRAÇÃO CULTURAL: SADRAQUE BARRETO



DIA 28 DE JUNHO - TERÇA FEIRA 

19:30H - CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA PRESIDIDA PELO PADRE DALMO

ATRAÇÃO CULTURAL: FORRÓ CAPIM SANTO


DIA 29 DE JUNHO - QUARTA FEIRA

19:30H - CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA PRESIDIDA PELO PADRE CLÁUDIO AMORIM
ATRAÇÃO CULTURAL: FORRÓ DUETTOS


DIA 30 DE JUNHO - QUINTA FEIRA 

19:30H - CELEBRAÇÃO DA PALAVRA PRESIDIDA PELO DIÁCONO FÁBIO CALISTO
APÓS A CELEBRAÇÃO APRESENTAÇÃO MUSICAL DA COMUNIDADE VOZ DE DEUS

DIA 01 DE JULHO - SEXTA FEIRA 

19:30H CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA PRESIDIDA PELO PADRE RUI BRAGA
APÓS A MISSA APRESENTAÇÃO MUSICAL DO PE RUI E MINISTÉRIO AMOR FRATERNO

DIA 02 DE JULHO - SÁBADO 

19:30H - CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA PRESIDIDA PELO PADRE GREGÓRIO
ATRAÇÃO CULTURAL: FORRÓ DA TRADIÇÃO

DIA 03 DE JULHO - DOMINGO - ENCERRAMENTO DA FESTA DE SÃO PEDRO E SÃO PAULO 

19H - CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA PRESIDIDA PELO ARCEBISPO DA PARAÍBA DOM ALDO DI CILLO PAGOTTO

APÓS A MISSA APRESENTAÇÃO CULTURAL DE BEL SOM














quinta-feira, 2 de junho de 2016

Primeiras palavras sobre a Festa de São Pedro e São Paulo em Tibiri



"Tem Misericórdia de mim, Ó Senhor, pois a ti clamo todo o dia. Alegra a alma do teu servo, pois a ti, Senhor, levanto a minha alma" Sl 86, 3-4

Com esta passagem bíblica nossa Paróquia vivencia o Ano da Misericórdia. Temos a grata alegria e satisfação de celebrar a Festa de São Pedro e São Paulo, testemunhas fieis do Cristo de Deus. Esta Festa tem como finalidade o fortalecimento do testemunho, a renovação do legado de Fé que nos trouxe até aqui e que na firme Esperança nos conduz até a Volta do Senhor! 

Celebramos a vida de Cristo na vida dos Santos e na nossa. Celebramos nossas alegrias e esperanças, lançando sementes de Paz. O desejo é que nossa Paróquia cada vez mais fiel ao Senhor possa alegrar os tristes, fortalecer os desanimados e restaurar os que estão despedaçados pela dor e pela tristeza. 

Nossa Festa se insere em um período cultural bastante forte do nosso povo, pois este mês é celebrado com grande alegria por nosso povo. Por isso, ela está articulada em uma dimensão litúrgica e depois em um momento cultural no qual podemos nos divertir e partilhar de boas companhias, conversas e músicas. Por isso, este ano, trazemos uma inovação e celebraremos no dia 24 de junho o SÃO JOÃO DAS COMUNIDADES. O início será uma celebração Eucarística, às 19:30h e depois a Confraternização segue até as 22:30h. 

Entre os dias 25 de Junho e 3 de Julho teremos enfim a Festa de São Pedro e São Paulo, algumas datas ainda estão abertas no que diz respeito aos que celebrarão conosco no entanto, já contamos com a presença de Pe Luiz Júnior, Pe Cláudio Amorim, Pe Rui Braga, Dom Aldo Pagotto, Diácono Fábio Calisto. 

No que diz respeito à dimensão cultural da Festa temos confirmados: Sadraque Barreto, Pe Dalmo, Pe Rui Braga, Ministério Voz de Deus, Forró da Tradição, Forró Capim Santo, Forró Duettos, Banda Tuaregs, Bel Som.

Alguns pontos ainda precisam ser confirmados mas esperamos poder confirmar toda a programação e divulgar por aqui rapidamente.